sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

V ARTE NA ESCOLA.

TRABALHOS FEITOS PELOS ALUNO DO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E A EJA , DA EE PAULO FREIRENO ANO DE 2010.

PROFESSORAS: LUZIA

ROSANA

video

PROJETO UMA CARTINHA PARA O PAPAI NOEL, REALIZADO NA EE. PAULO FREIRE.

video

domingo, 5 de dezembro de 2010

A HISTÓRIA DO NASCIMENTO DE JESUS

A História do nascimento de Jesus




Era uma vez uma moça chamada Maria que morava na cidade de Nazaré, ela gostava de ajudar a todas as pessoas. Sua maior qualidade era ser humilde de coração. Por isso ela achou graça diante de Deus que a escolheu para ser a mãe de seu filho Jesus Cristo, o Salvador do mundo. Então Deus enviou um anjo até a casa de Maria, o anjo disse:

- Maria, não temas! O Senhor é contigo! Traga novas de grandes alegrias. Tu achaste graças diante de Deus, eis que você dará a luz a um filho e dará o nome de Jesus, este será chamado de filho do altíssimo, e será o príncipe da paz.



Maria ficou muito feliz e orou agradecendo a Deus.

- Obrigada, Senhor! Porque escolheste a tua humilde serva para ser a mãe do seu filho amado.

Passaram-se nove meses a barriga de Maria já havia crescido e ela teve que viajar com seu esposo José para Belém para se recensear. Quando chegaram a Belém a cidade estava cheia de gente, muitas pessoas de todas as partes estavam ali para o recenseamento e também era dia de natal, por isso José não achou nenhuma vaga nos hotéis da cidade, todos estavam super lotados.

José falou para o atendente de um dos hotéis.

- Amigo, minha esposa está prestes a dar a luz será que você não tem um lugarzinho que ela possa ao menos passar esta noite?

- Só tem o estábulo, onde ficam os animaizinhos se você quiser podem passar a noite lá.

E lá se foram José e Maria para o estábulo. Era um lugar simples e humilde e ali mesmo Maria deu a luz ao menino Jesus, O Salvador do Mundo, O Príncipe da Paz e o envolveu com um lençol e colocou-lhe em um bercinho de palha chamado de manjedoura.

E lá no campo, estavam os pastores, cuidando de suas ovelhinhas, quando um anjo do Senhor apareceu e lhes deu a notícia do nascimento do menino Jesus.

- Jesus, nasceu lá em Belém em um estábulo siga a estrela e vocês o encontrarão.

De repente apareceram muitos anjos cantando:

- Glória a Deus nas alturas e paz na Terra entre os homens de boa vontade.

Os pastores imediatamente foram a Belém ao encontro de Jesus e ficaram felizes em vê-lo.

Os três reis magos que moravam no oriente viram a estrela, a seguiram e encontraram Jesus, Maria e José.

Os reis magos presentearam a Jesus com incenso ouro e mira.

Aquela noite foi a mais feliz de todas as noites, pois o filho de Deus havia nascido trazendo felicidade, paz, amor e salvação aos homens.

E Anjos em coro diziam:

- Nasceu Jesus, fonte de luz!

Autora: Bernadete Sena de Santana de Jesus

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

terça-feira, 9 de novembro de 2010

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

terça-feira, 10 de agosto de 2010

O Camundongo da Cidade e o do Campo



"Um camundongo que morava na cidade foi, uma vez, visitar um primo que vivia no campo. Este era um pouco arrogante e espevitado, mas queria muito bem ao primo, de maneira que o recebeu com muita satisfação. Ofereceu-lhe o que tinha de melhor: feijão, toucinho, pão e queijo.

O camundongo da cidade torceu o nariz e disse:
- Não posso entender, primo, como você consegue viver com estes pobres alimentos. Naturalmente, aqui no campo, é difícil obter coisa melhor. Venha comigo e eu lhe mostrarei como se vive na cidade. Depois que passar lá uma semana, você ficará admirado de ter suportado a vida no campo.

Os dois pusseram-se, então, a caminho. Tarde da noite, chegaram à casa do camundongo da cidade.
- Certamente você gostará de tomar um refresco, após esta caminhada, disse ele polidamente ao primo.

Conduziu-o à sala de jantar, onde encontraram os restos de uma grande festa. Puseram-se a comer geléias e bolos deliciosos. De repente, ouviram fosnados e latidos.
- O que é isto? Perguntou, assustado, o camundongo do campo.

- São, simplesmente, os cães da casa, respondeu o da cidade.
- Simplesmente? Não gosto desta música, durante o meu jantar.

Neste momento, a porta se abriu e apareceram dois enormes cães. Os camundongos tiveram que fugir a toda pressa.

- Adeus, primo, disse o camundongo do campo. Vou voltar para minha casa no campo.
- Já vai tão cedo? perguntou o da cidade.
- Sim, já vou e não pretendo voltar, concluiu o primeiro."

Mais vale o pouco certo, que o muito duvidoso)
(ESOPO)

As Formigas e o Gafanhoto

Num brilhante dia de outono, uma família de formigas se apressava para aproveitar o calor do sol, colocando para secar, todos os grãos que haviam coletado durante o verão. Então um Gafanhoto faminto se aproximou delas, com um violino debaixo do braço, e humildemente veio pedir um pouco de comida.

As formigas perguntaram surpresas: "Como? Então você não estocou nada para passar o inverno? O que afinal de contas você esteve fazendo durante o último verão?"


E respondeu o Gafanhoto: "Não tive tempo para coletar e guardar nenhuma comida, eu estava tão ocupado fazendo e tocando minhas músicas, que sequer percebi que o verão chegava ao fim."

As Formigas encolheram seus ombros indiferentes, e disseram: "Fazendo música, todo tempo você esteve? Muito bem, agora é chegada a hora de você dançar!"
E dando às costas para o Gafanhoto continuaram a realizar o seu trabalho.

Autor: Esopo
Moral da História:
Há sempre um tempo para o trabalho, e um tempo para a diversão.

Os Dois Viajantes e o Urso





Dois homens viajavam juntos através de uma densa floresta, quando, de repente, sem que nenhum deles esperasse, um enorme urso surgiu do meio da vegetação, à frente deles.

Um dos viajantes, de olho em sua própria segurança, não pensou duas vezes, correu e subiu numa árvore.

Ao outro, incapaz de enfrentar aquela enorme fera sozinho, restou deitar-se no chão e permanecer imóvel, fingindo-se de morto. Ele já escutara que um Urso, e outros animais, não tocam em corpos de mortos.


Isso pareceu ser verdadeiro, pois o Urso se aproximou dele, cheirou sua cabeça de cima para baixo, e então, aparentemente satisfeito e convencido que ele estava de fato morto, foi embora tranquilamente.

O homem que estava em cima árvore então desceu. Curioso com a cena que viu lá de cima, ele perguntou:

“Me pareceu que o Urso estava sussurrando alguma coisa em seu ouvido. Ele lhe disse algo?”

“Ele disse sim!” respondeu o outro, “Disse que não é nada sábio e sensato de minha parte, andar na companhia de um amigo, que no primeiro momento de aflição me deixa na mão!”.


Moral da História:
“A crise é o melhor momento para nos revelar quem são os verdadeiros amigos.”





FABÚLAS

O GATO E A RAPOSA


Certa vez, um Gato e uma Raposa resolveram viajar juntos. Ao longo do caminho, enquanto caçavam para se manter, um rato aqui, uma galinha ali, entre uma mordida e outra, conversavam sobre as coisas da vida.

E, como sempre acontece entre companheiros, especialmente numa longa jornada, a conversa entre eles logo se torna uma espécie de disputa de Egos. E os ânimos se exaltam quando cada um trata de promover e defender suas qualidade pessoais.

Pergunta então a Raposa ao Gato:

“Acho que você se acha muito esperto não? Você deve até achar que sabe mais do que eu. Sim, porque eu conheço tantos truques que nem sou capaz de contá-los!”

“Bem,” retruca o Gato, “Admito que conheço apenas um truque, mas este, deve valer mais que todos os seus!”


Nesse momento, eles escutam, ali perto, o apito de um caçador e sua matilha de cães que se aproximam. O Gato deu um salto e subiu na árvore se ocultando entre as folhas.

“Este é meu truque," ele disse à Raposa. “Agora deixe-me ver do que você é capaz.”

Mas, a Raposa tinha tantos planos para escapar que não sabia qual deles escolher. Ela correu para um lado e outro, e os cachorros em seu encalço. Ela duplicou suas pegadas tentando despistá-los; ela aumentou sua velocidade, se escondeu em dezenas de tocas, mas foi tudo em vão. Logo ela foi alcançada pelo cães, e então, toda sua arrogância e truques se mostraram inúteis.

Moral: O Bom senso é sempre mais valoroso que a astúcia.

(ESOPO)

domingo, 18 de julho de 2010

POR QUE AS PESSOAS SOFREM?



POR QUE AS PESSOAS SOFREM?



— Vó, por que as pessoas sofrem?
— Como é, minha neta?
— Por que as pessoas grandes vivem bravas, irritadas, sempre preocupadas com alguma coisa?
— Bem, minha filha, muitas vezes porque elas foram ensinadas a viver assim.
—Vó...
—Oi...
— Como é que as pessoas podem ser ensinadas a viver mal? Não consigo entender. Na minha escola a professora só me ensina coisas boas.
— É que elas não percebem que foram convencidas a ser infelizes, e não conseguem mudar o que as torna assim. Você não está entendendo, não é, meu amor?
—Não, Vovó.
— Você lembra da estorinha do Patinho Feio?
— Lembro.
— Então... o Patinho se considerava feio porque era diferente. Isso o deixava muito infeliz e perturbado. Tão infeliz, que um dia resolveu ir embora e viver sozinho. Só que o lago que ele procurou para nadar havia congelado e estava muito frio. Quando ele olhou para o seu reflexo no lago, percebeu que ele era, na verdade, um maravilhoso cisne. E, assim, se juntou aos seus iguais e viveu feliz para sempre.
— O que isso tem a ver com a tristeza das pessoas?
— Bem, quando nascemos, somos separados de nossa Natureza-cisne. Ficamos, como patinhos, tentando aceitar o que os outros dizem que está certo. Então, passamos muito tempo tentando virar patos.
— É por isso que as pessoas grandes estão sempre irritadas?
— É por isso! Viu como você é esperta?
— Então, é só a gente perceber que é cisne que tudo dará certo?
— Na verdade, minha filha, encontrar o nosso verdadeiro espelho não é tão fácil assim. Você lembra o que o cisnezinho precisava fazer para poder se enxergar?
—O que?
— Ele primeiro precisou parar de tentar ser um pato. Isso significa parar de tentar ser quem a gente não é. Depois, ele aceitou ficar um tempo sozinho para se encontrar.
— Por isso ele passou muito frio, não é, vovó?
— Passou frio, fome e ficou sozinho no inverno.
— É por isso que o papai anda tão sozinho e bravo?
— Não entendi, minha filha?
— Meu pai está sempre bravo, sempre quieto com a música e a televisão dele. Outro dia ele estava chorando no banheiro...
— Vó, o papai é um cisne que pensa que é um pato?
— Todos nós somos, querida. Em parte.
— Ele vai descobrir quem ele é de verdade?
— Vai, minha filha, vai. Mas, quando estamos no inverno, não podemos desistir, nem esperar que o espelho venha até nós. Temos que exercer a humildade e procurar ajuda até encontrarmos.
— E aí viramos cisnes?
— Nós já somos cisnes. Apenas temos que deixar que o cisne venha para fora e tenha espaço para viver e para se manifestar.
— Aonde você vai?
— Vou contar para o papai o cisne bonito que ele é!
A boa vovó apenas sorriu!









A VERDADE


Um dia, a Verdade decidiu visitar os homens, sem roupas e sem adornos, tão nua como seu próprio nome.

E todos que a viam lhe viravam as costas de vergonha ou de medo, e ninguém lhe dava as boas-vindas.

Assim, a Verdade percorria os confins da Terra, criticada, rejeitada e desprezada.

Uma tarde, muito desconsolada e triste, encontrou a Parábola, que passeava alegremente, trajando um belo vestido e muito elegante.

— Verdade, por que você está tão abatida? — perguntou a Parábola.

— Porque devo ser muito feia e antipática, já que os homens me evitam tanto! — respondeu a amargurada Parábola.

— Que disparate! — Sorriu a Parábola. — Não é por isso que os homens evitam você. Tome. Vista algumas das minhas roupas e veja o que acontece.

Então, a Verdade pôs algumas das lindas vestes da Parábola, e, de repente, por toda parte onde passava era bem-vinda e festejada.



*



Os seres humanos não gostam de encarar a Verdade sem adornos. Eles preferem-na disfarçada.





O BORDADO


Antonio quando era pequeno, via seus pais brigando por tudo, ele chegava em casa, e via discussão hora por hora.
Sua mãe costumava ir à igreja que ficava uns três quilômetros da sua casa, o que mais lhe chamava a atenção

era que mamãe nunca discutia.

Ele se Lembra, que sentava-se perto dela e me sentia muito seguro, apesar de tanta briga.

Lembra de ver a sua mãe bordando uma toalha.

Ele observava seu trabalho de uma posição mais baixa de onde ela estava sentada, e lhe perguntava o que estava

fazendo, dizendo-lhe que de onde ele estava o que ela fazia parecia muito confuso, porque ela usava alguns

fios de cores escuras e porque me pareciam tão desordenados.

Ela sorria para Antonio, olhava para baixo e gentilmente dizia a ele:

"Filho, saia um pouco para brincar e quando terminar meu bordado te chamarei e te colocarei sentado em

meu colo e te deixarei ver o bordado desde a minha posição".

Minutos mais tarde ele escutou a mamãe chamando:

"Filho, vem e senta-te em meu colo".

Ele fez de imediato, e no colo da mãe surpreendido e emocionado ao ver a formosa flor e o belo entardecer no bordado.

Não podia crer; de baixo parecia tão confuso.

Então sua mãe lhe ensinou:

"Filho, de baixo para cima tudo te parecia confuso e desordenado, porém não te ocorria de que há um plano acima.

"Havia um desenho; só o estava seguindo.

Agora olhando-o da minha posição saberás o que estava fazendo".

Então ele descobriu porque a mãe não se aborrecia com as brigas de seu pai, ela sabia que no fundo

o problema que papai estava passando iria acabar, e que a fé que ela buscava jamais a deixaria na mão.

Muitas vezes olhamos para o céu e nos perguntamos:

"Pai o que estais fazendo?”.

Ele responde:

"Estou bordando tua vida".

E nós replicamos:

"Mas está tudo tão confuso, meu casamento esta tão difícil?".

E neste momento recebemos a resposta ..

"Meu filho, ocupa-te de teu trabalho e Eu farei o meu, ame sua família, seu marido e o resto receberas por acréscimo.

Evangelize!!!!!








CUIDE BEM DE QUEM VOCÊ AMA!


Havia uma jovem muito bonita que tinha tudo:

um marido maravilhoso, filhos perfeitos, um emprego que pagava muitíssimo bem, uma família unida.

O estranho é que ela não conseguia conciliar tudo isso, o trabalho e os afazeres lhe ocupavam todo o tempo

e a sua vida estava deficitária em algumas áreas.

Se o trabalho consumia muito tempo, ela tirava dos filhos, se surgiam problemas, ela deixava de lado o marido...

E assim, as pessoas que ela amava eram sempre deixadas para depois...

Até que um dia, seu pai, um homem muito sábio, lhe deu um presente:

uma flor muito cara e raríssima, da qual havia um exemplar apenas em todo o mundo.

E disse a ela:

"Filha, esta flor vai te ajudar muito mais do que você imagina!

Você terá apenas que regá-la e podá-la de vez em quando, às vezes conversar um pouquinho com ela,

e ela te dará em troca esse perfume maravilhoso e essas lindas flores."

A jovem ficou emocionada, afinal a flor era de uma beleza sem igual.

Mas o tempo foi passando, os problemas surgiam, o trabalho consumia todo o seu tempo, e a vida,

que continuava confusa, não lhe permitia cuidar da flor.

Ela chegava em casa, olhava a flor e as folhas ainda estavam lá, não mostravam nenhum sinal de fraqueza ou morte,

apenas estavam lá, lindas, perfumadas.

Então ela passava direto.

Até que um dia, sem mais nem menos, a flor morreu.

Ela chegou em casa e levou um susto!

Estavam completamente mortas, suas raízes estavam ressecadas, suas flores caídas e suas folhas amarelas.

A Jovem chorou muito e contou ao seu pai o que havia acontecido.

Seu pai então respondeu:

"Eu já imaginava que isso aconteceria, e eu não posso te dar outra flor, porque não existe outra igual a essa,

ela era única assim como seus filhos, seu marido e sua família.

Todos são bênçãos que o Senhor te deu, mas você tem que aprender a regá-los, podá-los e dar atenção a eles,

pois assim como a flor, os sentimentos também morrem.

Você se acostumou a ver a flor lá, sempre florida, sempre perfumada e se esqueceu de cuidar dela.

Cuide das pessoas que você ama!"










A HISTÓRIA DO BURRO


História do burro
Um dia, o burro de um camponês caiu num poço. Não chegou a se ferir, mas não podia sair dali por conta própria. Por isso o animal chorou fortemente durante horas, enquanto o camponês pensava no que fazer.

Finalmente, o camponês tomou uma decisão cruel: concluiu que já que o burro estava muito velho e que o poço estava mesmo seco, precisaria ser tapado de alguma forma. Portanto, não valia a pena se esforçar para tirar o burro de > dentro do poço. Ao contrário, chamou seus vizinhos para ajudá-lo a enterrar vivo o burro. Cada um deles pegou uma pá e começou a jogar terra dentro do poço.

O burro não tardou a se dar conta do que estavam fazendo com ele e chorou desesperadamente. Porém, para surpresa de todos, o burro aquietou-se depois de umas quantas pás de terra que levou. O camponês finalmente olhou para o fundo do poço e se surpreendeu com o que viu.

A cada pá de terra que caía sobre suas costas o burro a sacudia, dando um passo sobre esta mesma terra que caía ao chão. Assim, em pouco tempo, todos viram como o burro conseguiu chegar até a boca do poço, passar por cima da borda e sair dali trotando.

A vida vai te jogar muita terra nas costas. Principalmente se você já estiver dentro de um poço. O segredo para sair do poço é sacudir a terra que se leva nas costas e dar um passo sobre ela. Cada um de nossos problemas é um degrau que nos conduz para cima. Podemos sair dos mais profundos buracos se não nos dermos por vencidos.






A BONECA E A ROSA



A Boneca e a Rosa

Aquela senhora estava com muita pressa. Entrou em um shopping center para comprar alguns presentes de última hora para o Natal. Havia muita gente ao redor e ela ficou incomodada com a situação. Pensou consigo mesma: "ficarei aqui uma eternidade, e tenho tantas coisas a fazer".

Um tanto depressiva, ela pensava em como o Natal estava se transformando em um grande comércio. Andou rápido por entre as pessoas e entrou numa loja de brinquedos. Mais uma vez se surpreendeu reclamando dos preços. Perguntava-se a si mesma se seus netos realmente brincariam com aquilo.
Partiu para a seção de bonecas. Em um dos corredores encontrou um menino, de aproximadamente cinco anos, segurando uma boneca bem cara. Estava tocando seus cabelos e a segurava com muito carinho. A senhora não pôde se conter e ficou olhando a cena fixamente, perguntando-se para quem seria aquela boneca.
Em seguida, se aproximou do menino uma mulher a quem ele perguntou:
- Não tenho dinheiro suficiente, tia?.
E a mulher lhe falou impaciente:
- Você já sabe que não tem o dinheiro suficiente para comprá-la.
Depois disse ao menino que permanecesse onde estava enquanto ela buscava outras coisas que lhe faltavam. E o menino continuou ali, segurando a boneca com muito carinho.
Após algum tempo, a senhora se aproximou e perguntou-lhe para quem era a boneca e ele respondeu:
- Esta é a boneca que minha irmãzinha queria muito ganhar no Natal. Ela estava certa de que a ganharia neste Natal - disse o garoto com certa tristeza.
A senhora se compadeceu e disse ao menino que no Natal levaria a boneca para sua irmãzinha, mas ele falou:
- Não, a senhora não pode ir onde minha irmãzinha está. Eu tenho que entregá-la à minha mãe para que ela leve até a minha irmãzinha.
- E onde está sua irmã?
O menino, com um olhar de tristeza, disse:
- Ela se foi com Jesus. Meu pai me disse que a mamãe irá encontrar-se com ela, em breve.
A mulher sentiu um grande aperto no coração. E o menino continuou:
- Pedi ao papai para falar com a mamãe para que ela não se vá ainda. Disse-lhe para pedir a ela que espere até que eu volte do shopping.
Em seguida o garoto tirou do bolso algumas fotografias que tinham sido tiradas em frente ao shopping e falou:
- Vou pedir ao papai que leve estas fotos para minha mãe, para que ela nunca se esqueça de mim. Gosto muito da minha mãe, não queria que ela partisse. Mas o papai disse que ela tem que ir encontrar a minha irmãzinha.
Enquanto o pequeno olhava a foto, a senhora tirou da carteira algumas notas e pediu a ele que contasse o dinheiro novamente. Ele contou outra vez, e disse satisfeito:
- Estou certo de que será suficiente. Agora posso comprar a boneca. - e disse - Eu acabei de pedir a Jesus para que me desse dinheiro suficiente para comprar esta boneca para a mamãe levar até a minha irmãzinha, e Ele ouviu a minha oração. Eu pedi, ainda, para que o dinheiro fosse suficiente para comprar também uma rosa branca para a minha mãe, e Ele acaba de me dar o bastante para a boneca e para a rosa. Sabe, minha mãe gosta muito de rosas brancas...
Em alguns minutos a tia do garoto voltou e a senhora se foi. Enquanto terminava suas compras, agora com uma disposição bem diferente, ela não conseguia deixar de pensar naquele menino. Lembrou-se de uma estória que havia lido num jornal, dias antes, a respeito de um acidente causado por um condutor alcoolizado, no qual uma menininha falecera e a mãe ficara em estado grave. Deu-se conta de que aquele menino pertencia àquela família.
Dois dias depois, ela leu no jornal a notícia de que a mulher acidentada havia morrido.
Não conseguia tirar o menino da mente... Comprou um buquê de rosas brancas e as levou ao funeral... Lá estava o corpo de uma mulher... Com uma rosa branca numa das mãos, uma linda boneca na outra, e a foto de seu filho em frente ao shopping.
Grossas lágrimas rolaram do rosto daquela senhora ao perceber a grandeza do amor daquele menino pela mãe e pela irmã...
Um amor que a morte não conseguiu apagar...
Um amor que vai muito além da existência física...
O verdadeiro amor que é Jesus. O Aniversariante tão esquecido, veio ensinar à humanidade...














OS SONHOS DAS TRÊS ÁRVORES.



A fábula das três árvores!
"Havia, numa cidade, três pequenas árvores que sonhavam o que seriam depois de grandes.
A primeira, olhando as estrelas, disse:
- Eu quero ser o baú mais precioso do mundo, cheio de tesouros. Para tal, até me disponho a ser cortada.
A segunda olhou para o riacho e suspirou:
- Eu quero ser um grande navio para transportar reis e rainhas.
A terceira árvore olhou o vale e disse:
- Quero ficar aqui no alto da montanha e crescer tanto, mas tanto, que as pessoas, ao olharem para mim, levantem seus olhos e pensem em Deus.
Muitos anos se passaram e certo dia vieram três lenhadores e cortaram as três árvores, todas ansiosas em serem transformadas naquilo que sonhavam.
Mas lenhadores não costumam ouvir e nem entender sonhos... Que pena!
A primeira árvore acabou sendo transformada num coxo de animais, coberto de feno. A segunda virou um simples e pequeno barco de pesca, carregando pessoas e peixes todos os dias. E a terceira, mesmo sonhando em ficar no alto da montanha, acabou cortada em grossas vigas e colocada de lado num depósito.
E todas as três se perguntavam desiludidas e tristes: "- Para que isso?"
Mas, numa certa noite, cheia de luz e de estrelas, onde havia mil melodias no ar, uma jovem mulher colocou seu bebê recém nascido naquele coxo de animais. E, de repente, a primeira árvore percebeu que continha o maior tesouro do mundo.
A segunda árvore, anos mais tarde, acabou transportando um homem que acabou dormindo no barco, e, no meio de uma tempestade, quando o estavam quase afundando, o homem levantou e disse ao mar revolto: "Sossegai". Num relance, a segunda árvore entendeu que estava carregando o Rei dos Céus e da Terra.
Tempos mais tarde, numa sexta-feira, a terceira árvore espantou-se quando suas vigas foram unidas em forma de cruz e um homem foi pregado nela, pois fora condenado à morte, mesmo sendo inocente.
Logo, sentiu-se horrível e cruel. Mas no domingo, o mundo vibrou de alegria e a terceira árvore entendeu que nela havia sido pregado um homem para salvação da humanidade, e que as pessoas sempre se lembrariam de Deus e de Seu Filho Jesus Cristo ao olharem para ela.
Eis a moral da história: as árvores tinham sonhos, mas as suas realizações foram mil vezes melhores e mais sábias do que haviam imaginado.








domingo, 27 de junho de 2010

"PROJETO COPA 2010"





A Geografia da Copa do Mundo 2010.
PROJETO DE GEOGRAFIA
E
ARTES
COPA 2010 – ÁFRICA DO SUL

JUSTIFICATIVA:
Introduzir o conhecimento geográfico aos alunos, principalmente aos que possuem maiores dificuldades de aprendizagem de uma forma dinâmica e atrativa, apresentando assim através de dados, gráficos e mapas a geografia dos países participantes da copa 2010.
OBJETIVO:
- Melhorar a aprendizagem do aluno;
- Desenvolver o gosto pela Geografia, Arte, Educação física, Ciências, Língua Portuguesa entre outras;
- Reforçar a importância dos conhecimentos geográficos no nosso dia a dia;
- Melhorar o ensino pedagógico da Escola Estadual.
GRUPO DE TRABALHO:
Educadores na execução do Projeto, Hector Rogério Monzani, Luzia de Fátima Layola, Regina Martins Gomes Lopes e Rosana Montovani.
Colaboradores no projeto: todos os professores dos períodos matutino, vespertino e noturno e de STE da Escola Paulo freire, junto com a direção da escola, coordenação pedagógica e corpo docente, apoiando quando possível, com materiais básicos para a realização do projeto e sua divulgação.
PUBLICO ALVO:
Este projeto tem como publico alvo os alunos do ensino fundamental, básico e a EJA, e também toda comunidade escolar que indiretamente ou diretamente fazem parte do projeto.
PLANO DE AÇÃO:
O Projeto será realizado na Escola Estadual Paulo Freire, utilizando as salas de aulas, laboratório de informática e o saguão da unidade escolar como espaço físico para sua execução onde serão desenvolvidas as atividades propostas, sendo assim orientados e direcionados pelos educadores. Na data prevista de abertura do projeto, os alunos sairão em passeata pela cidade de Iguatemi, onde em seu término e retorno a unidade escolar será julgada a bicicleta mais ornamentada com as cores do Brasil, os demais dias as atividades serão fixadas no mural informativo conforme projeto.
EXECUÇÃO POR TURMA:
6ºs anos (Vespertino, matutino, noturno) e Primário
Enfeites da escola e salas de aula
Confecções de bandeiras
MATUTINO
9º Ano Matutino
Confecção do Mapa Mundi destacando os países participantes da copa
1º ano Ensino Médio
Identificar os dados socioeconômicos dos Países participantes da copa 2010:
IDH, clima, moeda, governo, expectativa de vida, grau de escolaridade (educação)
Países:

8º Ano
Localização dos estádios
Custo de construção dos estádios
Custo do ingresso do jogo
Imagens dos estádios
7º ano
Escalação das seleções participantes da copa com suas bandeiras.
África do Sul, México, Uruguai, França, Holanda, Dinamarca, Japão, Camarões. Argentina, Nigéria, Coréia do Sul, Grécia, Itália, Paraguai, Nova Zelândia, Eslováquia.
VESPERTINO
7º ano
Escalação das seleções participantes da copa com suas bandeiras.
Inglaterra, Estados Unidos, Argélia, Eslovênia, Brasil, Coréia do Norte, Costa do Marfim, Portugal.
8º ano
Informações gerais sobre a África do Sul.
IDH, clima, moeda, governo, expectativa de vida, grau de escolaridade (educação)
9º ano
Identificar os dados socioeconômicos dos Países participantes da copa 2010:
IDH, clima, moeda, governo, expectativa de vida, grau de escolaridade (educação)
Países:
NOTURNO
3ª Fase do EJA
Tabela de Jogos e Manutenção da tabela
Desenho Oficial da Copa 2010 (símbolo e a mascote)
Escalação das seleções participantes da copa com suas bandeiras.
Seleções: Alemanha, Austrália, Sérvia, Gana, Espanha, Suíça, Honduras, Chile.
REGISTRO:
Tudo será registrado conforme o desenvolvimento do projeto, através de fotografias documentos e depoimentos dos participantes através da integração de toda Comunidade escolar.
RECURSOS:
Físicos – Pátio da escola e sala de tecnologia.
Materiais – Materiais decorativos, recursos multimídias e entre outros.
Financeiro – Escola, famílias e parcerias, ou seja, toda comunidade escolar.
CRONOGRAMA:
Inicio: 11 / 06 / 2010
Término: 11 / 07 / 2010
Duração: 30 dias
Horas: 40 horas
AVALIAÇÃO.
O projeto será executado na data prevista, apresentando assim os trabalhos individuais por turmas onde serão fixados no painel de informações para a apreciação de todos.





terça-feira, 22 de junho de 2010